top of page

CDC54 ; FW24.2 ;

' kosma laborepoko ' - do esperanto, ' era do trabalho cósmico ' - referencia a corrida espacial da década de 1960 e o período de otimismo tecnológico da década de 1990. Aludindo às ficções de Asimov, a coleção é ambientada em uma nave espacial e interpreta as relações de trabalho deste contexto. 

 

A coleção apresenta o que poderia ser o uniforme da tripulação em um momento futuro no qual o próprio conceito de uniforme, conforme conhecemos, tornou-se obsoleto e substituído pela computação espacial. Agora, os tripulantes vestem-se para o trabalho não mais para comunicar hierarquia, mas a própria expressão. 

 

A silhueta esguia a década de 1990 é misturada com as menções ao espaço nas formas das peças que são características da década de 1960, sob um olhar contemporâneo que usa de tecidos plastificados, transparências, casacos longos, linguetas, botões metálicos, recortes circulares, cartela de cor fria, e tudo que constituí moda dentre os tripulantes da nave.

 

' a neoutopia ' - futuro dadas circunstâncias;​

Artboard 25.png

//prólogo;

 

Em uma era de hegemonia do bem estar social, o dinheiro se torna um conceito obsoleto. Com os recursos de desenvolvimento científico desvinculados do interesse financeiro, os cientistas avançam sem obstáculos para criar uma nova forma de viajar pelo cosmos: o portal artificial.

 

A primeira cosmonave de expedições científicas com essa tecnologia, a UKŜ-Asimov (do Esperanto unuiĝinta kosmoŝipo Asimov), flutuou em órbita terrestre, projetou e adentrou seu portal. O objetivo seria estudar os biomas do planeta Kepler 90/1960. Contudo, durante sua passagem pelo portal, o veículo sofreu uma despressurização na câmara de abdução que inviabilizaria o transporte de tripulantes e amostras biológicas entre a cosmonave e o planeta, representando um desastre para a expedição. Todos os trabalhadores, despertos ou hibernantes, são convocados pela capitã alien-terreste, por meio de seus comunicadores telepáticos para gerir a emergência.

 

Os trabalhadores da cosmonave trajam roupas a serviço de sua própria expressão. Uniformes não fazem mais sentido: a computação espacial embutida em suas retinas se encarrega de informar quem pertence ou não a tripulação cósmica e sua atribuição.

 

Tecidos plastificados, transparências, casacos longos, linguetas, recortes circulares, constituem moda entre os tripulantes, que, numa ação conjunta, se encarregam de sanar a falha mecânica para conter danos à estrutura de UKŜ-Asimov.

fav-icon.png

FICHA TÉCNICA
Direção

Erico Valença

Styling

Vitória Grassi

Beleza

Lis Ortis
Maxi Weber

Fotografia e vídeo

Luan Martins

Versolato
Agência Fotosite

Assistência
Will o Criativo
Matheus Rodrigues

Namê
Lais

Trilha sonora

Aeres Desk

Realização
Casa de Criadores
Apoio

TexPrima
Sou de Algodão

Agradecimentos
João Valença
Márcia Rocha
André Hidalgo
Alê Duarthe
Manami
Equipe Casa de Criadores